Festa no Shopping em homenagem à mulher

ii-orquideas-de-marco-04.jpg  

ii-orquideas-de-marco-02.jpg   ii-orquideas-de-marco-03.jpg

ii-orquideas-de-marco-05.jpg

No cenário privilegiado do Del Paseo, as orquídeas foram uma das principais atrações no Dia Internacional da Mulher. Na última foto, a presença de membros da ACEO. 

A Associação Cearense de Orquidófilos realizou no Shopping Del Paseo, entre os dias 7 e 9 de março, o II Orquídeas de Março. A promoção, que coincide com o transcurso do Dia Internacional da Mulher, repetiu o sucesso do ano passado e se constituiu na primeira exposição de orquídeas do corrente ano em Fortaleza.

O objetivo era divulgar a prática do cultivo de orquídeas, tendo os membros da ACEO que acompanharam a exposição aproveitado a oportunidade para orientar e tirar dúvidas colocadas pelas centenas de visitantes. A mostra representou uma festa da Cattleya labiata, a única orquídea do gênero a habitar as serras do Ceará e que estava no pico de sua floração.

[CONTINUE LENDO…]

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
Compartilhe nas redes sociais

Orquídeas enfeitam a casa do José

orquideas-na-cja-01.JPG  orquideas-na-cja-14.JPG

Há um novo elemento na paisagem da Casa de José de Alencar, em Messejana/Fortaleza.

orquideas-na-cja-13.JPG   orquideas-na-cja-15.JPG

Membros da ACEO desempenharam com muita dedicação a tarefa de fixar orquídeas nas árvores do jardim da CJA.

A Associação Cearense de Orquidófilos realizou no sábado, dia 1º de março, uma prazerosa atividade. Cerca de 15 associados compareceram, pela manhã, à Casa de José de Alencar, conduzindo plantas para serem fixadas nas árvores do jardim daquele importante espaço cultural de Fortaleza. O “presente” oferecido à CJA, local onde nasceu o autor de Iracema, foi uma forma de a ACEO retribuir a acolhida que recebe da instituição, onde acontecem as reuniões ordinárias mensais dos orquidófilos.

[CONTINUE LENDO…]

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
Compartilhe nas redes sociais

Meta em 2008 é consolidar o crescimento da orquidofilia no Ceará

Depois de um ano de muitas realizações, que marcou extraordinário desenvolvimento da orquidofilia no Ceará, a ACEO tem diante de si, em 2008, o desafio de não deixar diminuir o entusiasmo e de consolidar as recentes conquistas.

Novas exposições irão acontecer, embora a segunda edição do FestOrquídeas deva ser transferida para 2009, de modo que o festival aconteça numa época mais apropriada, com o máximo de flores em nossos orquidários. Ao mesmo tempo, pretende-se realizar novas atividades técnico-científicas e dar seqüência às parcerias com a Semace e Universidade Federal do Ceará – dentre outras instituições – objetivando incrementar a pesquisa orquidológica, a divulgação da orquidofilia e as iniciativas voltadas para a preservação do meio ambiente. É também imprescindível investir no estreitamento de laços com outras entidades orquidófilas, em especial as do Nordeste.

Considera-se, igualmente, fundamental incentivar a vida associativa, fortalecendo a ACEO e, acima de tudo, aproximando os associados. As reuniões ordinárias irão continuar, na tarde do terceiro sábado de cada mês, na Casa de José de Alencar, enquanto cresce a movimentação no sentido de que se reproduzam com mais freqüência as reuniões informais.

As promoções e parcerias recentemente estabelecidas proporcionaram relativa saúde financeira à ACEO e, dessa forma, os associados que comparecerem às reuniões, mantendo em dia seu compromisso com a Tesouraria, deverão ser, cada vez mais, beneficiados com os sorteios de plantas e outros brindes.

Pelo visto, há muito a ser construído em 2008.

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
Compartilhe nas redes sociais

As entrevistas da ACEO 09: Lima Verde, memória viva da orquidofilia cearense

Engenheiro agrônomo e botânico taxonomista, Luiz Wilson Lima Verde é um homem da Ciência. Mas nem a objetividade e isenção da Ciência abalam sua forma apaixonada de encarar as orquídeas. Ligado ao Departamento de Biologia do Centro de Ciências da Universidade Federal do Ceará, ele se dedica aos estudos florístico-fitogenéticos dos vários ecossistemas cearenses, identificação taxonômica das espécies constantes desses ecossistemas (incluindo orquídeas e bromélias) e estudos sobre as abelhas nativas sem ferrão do Ceará, no que se refere às espécies por ecossistemas e suas relações com a flora local. Atual Diretor Técnico-Científico da ACEO, Lima Verde faz, nesta entrevista, um breve histórico da orquidofilia no Ceará e fala de seu trabalho como orquidólogo.
ACEO – Você, que é testemunha e personagem do movimento orquidófilo no Ceará, há muitos anos, poderia contar como tudo começou?
Luiz Wilson Lima Verde – O cultivo de orquídeas no Ceará remonta, pelo que sabemos, às primeiras décadas do século passado. Em Guaramiranga, as famílias Linhares e Matos Brito cultivaram-nas, inclusive em ripados. Em Maranguape, área serrana, o pai do nosso companheiro Pompeu de Souza Brasil também cultivou a nossa Cattleya labiata, mais ou menos no mesmo período. Supomos que nas décadas seguintes uma ou outra pessoa, em Fortaleza, também se dedicou ao cultivo dessa espécie. Com o surgimento dos jardins de comercialização de plantas ornamentais, no final da década de 60 para início de 70, deram-se os primeiros contatos entre os amantes das orquídeas, embora esses contatos também se estabelecessem entre pessoas que já se conheciam, como foi o caso do Waldir, o Sr. Gerardo (seu sogro) e eu. O certo é que em 1977 já havia um número maior de entusiastas, que se conectavam nesse sentido e o passo seguinte foi a criação da Sociedade Cearense de Orquidófilos (SCO).

[CONTINUE LENDO…]

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
Compartilhe nas redes sociais

As entrevistas da ACEO 08: Apolônia Grade – lições de amor às plantas e respeito à natureza

A bióloga e engenheira ambiental Apolônia Grade, de Alta Floresta, Mato Grosso, é a entrevistada do Boletim ACEO de fevereiro (2008). Em conversa com Vera Coelho, ela fala sobre como cuida de suas plantas, na Chácara Recanto das Orquídeas, um verdadeiro templo da devoção à natureza.

ACEO – Morar num “paraíso” é desejo de muitos e privilégio de poucos. Conte-nos como o seu paraíso aconteceu.

Apolônia Grade – Eu costumava brincar, dizendo que enquanto os outros se preocupam em garantir o paraíso na próxima vida, eu busquei o meu agora. Mas Hoever me proibiu, dizendo: “Olha, o Paizão lá em cima pode levar isso a sério, e aí…” Parei com a brincadeira! O paraíso não veio de graça, foi construído dia-a-dia, com muito trabalho, muito suor. Quem conheceu a chácara antes da nossa chegada sabe testemunhar o quanto de trabalho foi necessário para que a transformação acontecesse. O importante é que aconteceu, e toda a família curte muito, junto, trabalha junto, e o que de melhor temos aqui é a harmonia.

[CONTINUE LENDO…]

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
Compartilhe nas redes sociais

As entrevistas da ACEO 07: José Francisco Vannucchi – nas listas e associações, uma grande roda de amigos

Na última edição de 2007, a de nº 8, o Boletim ACEO entrevistou José Francisco Vannucchi, vice-presidente do Clube dos Amigos da Orquídea de Vinhedo-Valinhos (CAO-ViVa) e moderador de uma lista de discussão que já reúne mais de 1.600 associados. JF, como é conhecido, falou de sua paixão pelas orquídeas e do entusiasmo pelas associações orquidófilas.

ACEO – Como despertou seu amor pelas orquídeas?

José Francisco Vannucchi – Desde criança gosto de plantas em geral. Minha mãe sempre teve algumas orquídeas, mas ainda não havia em mim o interesse especial por elas. Em 1970, em Catanduva, fui conhecer D. Helena Trica, presidente da associação local, e seu orquidário. Saí encantado e com uma porção de plantas. D. Helena ficou entusiasmada com o novo afilhado e me inscreveu como associado do Círculo Rioclarense de Orquidófilos, para que eu pudesse receber o Boletim do CRO. Em 1971, estando na região de Rio Claro (SP), fui assistir a uma reunião do Círculo Rio-Clarense, quando conheci pessoalmente o Gilberto Dória do Valle, o Prof. Francisco Anaruma e o meu querido amigo Evaldo Wenzel. Em 1972, em São Paulo, ingressei no Círculo Paulista de Orquidófilos, entidade da qual cheguei a ser presidente. Foi no CPO que convivi com grandes orquidófilos do passado, como os saudosos João Vaz da Rocha, Heitor Gloeden, Joaquim Coppio Filho, José dias de Castro, Alfredo Francisco Martinelli, Augusto Fernandes Neves e muitos outros. Vou até parar de citar nomes, pois são muitos e não quero cometer injustiças com omissões, apesar de involuntárias.

[CONTINUE LENDO…]

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
Compartilhe nas redes sociais

As entrevistas da ACEO 06: Dr. Darly – preservando e ensinando a reproduzir orquídeas

Dr. Darly Machado, cirurgião dentista, orquidólogo e Presidente da Associação Brasileira de Orquidólogos – ABO, é o entrevistado da oitava edição do Boletim ACEO. Amante da natureza e profundo conhecedor das orquidáceas, ele fala de como cuidar das orquídeas, como reproduzi-las, e alerta para a necessidade de se proteger o habitat dessas plantas.

ACEO – “Melhor prevenir do que remediar”. O ditado se aplica também ao cultivo de orquídeas?

Darly Machado – Já escrevi uma matéria sobre este tema e saiu na Mundo das Orquídeas, em números passados recentes. Apenas troquei o termo remediar por envenenar. É o que vemos com freqüência no meio orquidófilo, quando as indicações para tratamento de pragas e doenças são feitas sem o cuidado de um diagnóstico correto, que inclua exames de laboratório de fitopatologia. Freqüentemente vejo as orquídeas de cultivo caseiro “doentes de remédios”, como diz Chamboursou. Aplica-se um inseticida quando o problema é com fungo ou então um fungicida quando deveria ser utilizado um bactericida e assim por diante. E as orquídeas vão sendo cada vez mais envenenadas.

[CONTINUE LENDO…]

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
Compartilhe nas redes sociais