Orquídeas são venenosas para os gatos? – Isto é lorota; não acredite

Gatos e orquídeas
A gata “Chiquinha” posa diante de híbrido semialbo. (Foto: Carlos Keller)

Durante muito tempo, as orquídeas fizeram parte de um universo seleto, formado por pessoas endinheiradas, que podiam pagar muito caro por elas. Depois que se desenvolveu a técnica de cultivo in vitro, e as espécies mais apreciadas passaram a ser reproduzidas aos milhares, o preço caiu e as orquidáceas se popularizaram.

Acabou-se aquela “reserva de mercado” para os ricaços, mas persistiu a ideia de que orquídea são plantas sofisticadas, difíceis de ser cultivadas, cheias de mistérios e exigências. Não são poucas as pessoas que já me perguntaram se as elas devem ser regadas apenas com água mineral. Pacientemente, explico que não existe essa absurda necessidade. É claro que não devemos regá-las com água poluída ou excessivamente clorada, mas também não é o caso de buscar saídas complicadas para algo tão simples.

Outra “lenda urbana” bastante difundida é a de que orquídeas são venenosas para os gatos. Quem teria inventado esta bobagem? Busquei respostas na internet e descobri que o boato corre o planeta. Sites europeus e norte-americanos comentam o tema, evidentemente, desmentindo a absurda fofoca.

Os felinos são carnívoros, todos nós sabemos. Mas, instintivamente, por vezes eles mastigam um vegetal. Segundo o site francês ToutMini.info, isto os ajuda a digerir, ou expelir, as bolas de pelo que se formam em seu sistema digestivo. Então, pode acontecer de o gato vomitar, depois de “lanchar” uma ponta da folha daquela Cattleya que você cultiva com tanto cuidado. Nada grave para o bichano, embora o resultado seja trágico para a estética da planta.

Até aqui, estamos falando de orquídeas, que NÃO são plantas tóxicas. A situação será bem diferente se o gato, ao invés de mascar uma Laelia ou um Epidendrum, resolver degustar uma dessas plantas realmente tóxicas tão encontradiças em nossos jardins e apartamentos. A título de alerta, transcrevo, ao final, pequena relação de espécies comumente cultivadas por nós e das quais muitos ignoram os malefícios que podem provocar no caso de ingestão (seja por animais domésticos, seja por humanos).

Para concluir, uma dica: você pretende que seu gatinho satisfaça aqueles estranhos desejos vegetarianos sem sofrer danos? Pois saiba que já existe à venda, em lojas de produtos para animais, bandejas com sementes de capim especial para gatos. É só regar e deixar crescer. Eles comem, se divertem…e não há sequelas. Quem sabe, até deixem suas orquídeas em paz. Aliás, o alpiste também pode ser plantado com esse fim.

Segue-se relação de algumas plantas tóxicas com as quais convivemos no dia-a-dia:

  • Antúrio (Anthurium)
  • Avelós (Euphorbia tirucalli)
  • Avenca (Adiantum capillus-veneris)
  • Azaleia (Azalea )
  • Bico-de-papagaio (Euphorbia pulcherrima)
  • Comigo-ninguém-pode (Diffenbachia)
  • Copo-de-leite (Zantedeschia aethiopica)
  • Coroa-de-Cristo (Euphorbia milii)
  • Espada-de-São-Jorge (Sansevieria trifasciata)
  • Espirradeira (Nerium oleander)
  • Lírio e Lírio-da-paz (Lilium sp e Spathiphyllum wallisii)
  • Mamona (Ricinus communis)
  • Tinhorão (Caladium bicolor)
  • Violeta (Viola odorata)

Prof. Italo Gurgel, da Associação Cearense de Orquidófilos-ACEO

Noiva com buquê de orquídeas

Nova e bouquet 01

Helena é a noiva. O buquê por ela idealizado deveria ter apenas orquídeas brancas, com alguns toques de amarelo. “Souza Floricultura”, de Fortaleza, confeccionou exatamente o que ela queria: um buquê de Phalaenopsis alba, alguns ramos de Denphal igualmente albino, tudo entremeado com hastes de Oncidium Aloha. Beleza e simplicidade emolduradas pelo sorriso da noiva. As orquídeas vieram do Orquidário Flores do Lago, de Patos de Minas/MG (34 – 3825.7744 / 99999.1042 – [email protected]). Embaladas com muito esmero, as flores chegaram perfeitas a seu destino.

Ultrapassamos os 500 mil visitantes

Este site, criado pela Associação Cearense de Orquidófilos – ACEO, ultrapassou, no mês de setembro, a marca dos 500 mil visitantes, um patamar considerável para este segmento temático no Brasil. Setembro também foi o mês recordista, com 13.132 acessos.

Tão importante quanto o volume de acessos é o conceito que o site construiu desde que foi criado, em 2007, o que pode ser medido pelo grande número de mensagens que recebe e de pedidos para inserção de matérias anunciando exposições e outros eventos.

Gerida com profissionalismo, por dois jornalistas, a página é essencialmente noticiosa. As postagens são feitas com grande frequência, o que também estabelece um diferencial positivo.

Diariamente são respondidas perguntas dos internautas, o que propicia uma salutar interatividade entre a ACEO e os orquidófilos de todo o país e do exterior. A webpage também tem sido um “cartão de visitas”, levando muitas pessoas a descobrirem a ACEO, da qual se tornam, mais tarde, membros efetivos.

Seguem-se algumas estatísticas atualizadas com relação ao desempenho do site nos sete anos decorridos desde sua criação:

  • Total de postagens: 572;
  • Total de visitantes: 508.897;
  • Total de visualizações: 1.324.408;
  • Origem dos acessos: 165 países (92% do Brasil – 2,27% de Portugal – 1,16% dos EUA, e o restante dos demais países);
  • Assinantes da Newsletter: 2.447;
  • Mensagens enviadas pelo formulário de contato: 1.965;
  • Comentários feitos pelos visitantes: 2.639;
  • Página mais visitada: Dicas de Cultivo de Orquídeas, com 186.400 visualizações.

22 de Junho – Dia do Orquidófilo

Neste 22 de Junho de 2014, a Associação Cearense de Orquidófilos (ACEO) lembra: Cultivar orquídeas é mais do que extasiar-se diante de sua beleza: é também defendê-las, é proteger os ambientes naturais onde elas vicejam, é sintonizar-se com a natureza e descobrir-se como parte dela, é exercitar a solidariedade, a gentileza, a generosidade, a tolerância. Cultivar orquídeas é uma forma de crescermos como seres humanos.

De onde vêm os vasos onde cultivamos nossas orquídeas?

Nas mãos habilidosas do oleiro, rapidamente a argila toma a forma de vaso… um vaso destinado a orquídeas. A cena flagrada na sequência fotográfica se repete, dezenas de vezes por dia, na “Cerâmica Heitor”, onde se abastecem nove entre dez cultivadores de orquídeas cearenses.

Heitor dirige a olaria com muita competência e simpatia. Não há demanda que ele não consiga atender. Sua equipe conhece todos os segredos da argila e elabora qualquer peça que venha a ser concebida pelos que procuram a olaria, instalada no bairro de Messejana (Rua Joselito Parente, 700), em Fortaleza.

Merece aplauso, igualmente, a consciência ambiental que preside o trabalho. Nos fornos da olaria, somente são usadas sobras de madeira da indústria de móveis e galhos de árvores mortas. O cuidado com a sustentabilidade realça o estilo de trabalho de uma pequena empresa que tem, na sua clientela, um grande número de pessoas que amam a natureza e são, naturalmente, sensíveis à questão ambiental.

Para contatos com o Heitor: fone (85) 3229.2522 – E-mail: [email protected]

Tradicional vaso para orquídeas, com furos laterais e na parte inferior.
Nos fornos da olaria, somente madeira de descarte.
Peças de barro para todos os gostos e finalidades.

Parabéns! Hoje é o Dia do Orquidófilo

Comemora-se hoje – 22 de junho –, no Brasil, o Dia do Orquidófilo. A escolha dessa data é uma homenagem a João Barbosa Rodrigues, que nasceu a 22 de junho de 1842, em São Gonçalo do Sapucai, MG. Engenheiro, naturalista, botânico, taxonomista, Rodrigues foi, durante quase 20 anos, Diretor do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, cargo que ocupou até sua morte, a 6 de março de 1909. Foi no Jardim Botânico que ele conduziu estudos sobre as orquídeas brasileiras, tendo produzido importantes trabalhos, como “Genera et species orchidearum novarum”, em três volumes, e uma “Iconografia das orquídeas”. Baptistonia e Capanemia são exemplos de gêneros nominados por Barbosa Rodrigues. Já a Barbosella é um gênero a ele dedicado.

Cattleya labiata Lindl. - A chamada "Rainha do Nordeste", por sua beleza, perfume, adaptabilidade e importância histórica, pode ser considerada, também, a Rainha das Orquídeas.

TUDO COMEÇOU COM A CATTLEYA LABIATA

A C. labiata, descrita pelo botânico inglês John Lindley em 1821, é uma orquídea nativa do Nordeste brasileiro. Quando floresceu nas estufas europeias, no início do Século 19, encantou o Velho Continente e despertou enorme interesse pelas orquídeas tropicais. Mais tarde, o cultivo de orquídeas se tornou uma das atividades de lazer mais difundidas no mundo inteiro.

No Ceará, os amantes das orquídeas são reunidos pela Associação Cearense de Orquidófilos (ACEO), fundada em 26 de outubro de 1977. Os encontros acontecem uma vez por mês, na Casa de José de Alencar, em Fortaleza, sempre no terceiro sábado de cada mês, a partir das 15h. Nessas ocasiões, todos levam vasos floridos, o que resulta em pequenas exposições. Além dos informes e da distribuição do “Boletim ACEO”, são ministradas palestras, promovem-se discussões, analisam-se algumas flores expostas no local e faz-se o sorteio de plantas entre os presentes. O FestOrquídeas é a grande exposição anual, realizada pela ACEO no mês de novembro. Esporadicamente, são programados passeios, compras coletivas de orquídeas, atividades em orquidários públicos e encontros informais na residência dos associados, gerando momentos de prazerosa confraternização.

Surge a novíssima geração de orquidófilos cearenses

A Associação Cearense de Orquidófilos tem o mérito de atrair a atenção de crianças e adolescentes para o cultivo de orquídeas. Os quatro associados hoje pertencentes à categoria Infanto-Juvenil estavam presentes na reunião de março e se deixaram fotografar, com exclusividade, para o site da ACEO. São eles, da esquerda para a direita: Diego, Yan, Jonathas e Breno.

Diego, o caçula, descobriu as orquídeas (e a ACEO) através dos tios, que já eram associados. Os outros três não tinham “precedentes orquidófilos” na família e terminaram levando familiares adultos a também se engajarem na Associação.

Os infanto-juvenis da ACEO têm, atualmente, entre 10 e 15 anos. Yan Ferreira, embora não seja o mais velho, pode ser considerado “veterano” nas lides orquidófilas. Participa, há três anos, da vida da entidade e até já ministra oficinas de cultivo de orquídeas. Todos demonstram forte interesse pelas orquidáceas: fazem perguntas (inteligentes), investigam, fotografam as flores… e começam a formar suas próprias coleções.