Reproduzimos, a seguir, matéria publicada no portal da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat):

http://www.novoportal.unemat.br/?pg=noticia/9174/Pesquisadores da Unemat descobrem nova espécie de orquídea

Texto: Nataniel Zanferrari

Dichaea - Mato GrossoFoto: Coordecom/Unemat

Uma parceria entre taxonomistas da família Orchidaceae (a das orquídeas) do laboratório de Botânica do Campus de Tangará da Serra da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), Instituto de Botânica de São Paulo e Universidade Federal do Paraná (UFPR) encontrou duas espécies de orquídeas com particularidades incomuns às demais já registradas para o Brasil.

Uma delas pertence ao gênero Dichaea Lindl. Esta espécie já foi confirmada como nova para a ciência e está sendo descrita. A outra se trata de uma espécie do gênero Tropidia Lindl., que foi de difícil identificação, pois não havia registro de sua ocorrência no Brasil. Sua identificação só foi possível após sequenciamento de algumas regiões de seu DNA. Esses estudos dão conta de que se trata da Tropidia polystachya (Sw.) Ames. Essa espécie já havia sido coletada nas Bahamas, nas Ilhas Cayman e em outros países da América Central; na Colômbia; no Equador, inclusive nas Ilhas Galápagos; na Flórida, Estados Unidos; no México; e na Venezuela; mas nunca no Brasil.

A intenção da equipe da professora Celice Alexandre Silva é que, assim que sejam finalizados estes estudos, os resultados sejam publicados em revistas científicas internacionais, com intuito de atingir grande parte da comunidade científica e chamar a atenção para a flora mato-grossense.

Botânica mato-grossense

O Estado de Mato Grosso vem demonstrando, através de estudos botânicos localizados, que a sua flora ainda esconde espécies pouco estudadas e até algumas nunca descritas na ciência. Por apresentar uma mistura de três biomas brasileiros (Cerrado, Pantanal e Amazônia), a flora mato-grossense torna-se uma importante ferramenta para os pesquisadores, mesmo com o Estado figurando entre os que mais desmatam no Brasil.

Do ponto de vista da taxonomia (área da ciência dedicada à identificação e classificação das espécies), o Mato Grosso permaneceu esquecido por muitos anos. A última expedição botânica importante aconteceu na década de 1940, durante a instalação das linhas telegráficas comandada pelo Marechal Cândido Rondon, época das coletas realizadas por Frederico Hoehne, quando muitas espécies novas foram descritas.

O interesse de alguns taxonomistas de retomar os estudos da flora mato-grossense vem fortalecendo o objetivo de ‘reativar’ a pesquisa e divulgação da flora de Mato Grosso, revisando as primeiras listas de espécies, materiais depositados em coleções científicas, descrevendo espécies novas e, ainda, ampliando a distribuição geográfica de diversas espécies existentes em outros estados e até outros países.

Orquideas de Mato Grosso - Genus CatasetumCAPA Carlini e Caniato Orquideas de Mato Grosso.inddDesde 2012, a publicação de dois livros sobre as orquídeas de Mato Grosso – ‘Orquídeas nativas de Mato Grosso’, de Ana Kelly Koch e Celice Alexandre Silva, e ‘Orquídeas de Mato Grosso – Genus Catasetum L.C.Rich ex Kunth’, de Adarilda Petini-Benelli – chamou a atenção demonstrando o quanto esse Estado é rico em espécies de orquídeas e o quanto ainda precisa ser estudado.

{ 0 comments }

Revista OrquidaRio 01A Associação Cearense de Orquidófilos (ACEO) está incorporando à sua biblioteca o vol. 28, nº 2, da revista “Orquidário”, editada pela OrquidaRio Orquidófilos Associados, do Rio de Janeiro. A nova edição transcreve três ensaios voltados para diferentes aspectos da Orquidofilia e da Orquidologia, um deles assinado pelo Diretor de Comunicação da ACEO, jornalista Italo Gurgel.

Em “O Gênero Dryadella Luer no Rio Grande do Sul”, o advogado gaúcho Luiz Filipe Klein Varella, estudioso das orquídeas de seu Estado, apresenta um histórico desse gênero e descreve as três espécies que ocorrem no RS, bem como seu habitat.

Revista OrquidaRio 04“Quando o céu fecha as torneiras” é o título do artigo de Italo Gurgel, que se reporta a algumas estratégicas a serem postas em prática pelos orquidófilos, nesse momento em que a escassez de água afeta todo o País. Segundo Italo, “o contexto de escassez é penoso para todos, mas, quando se tem uma atividade que normalmente impõe um consumo elevado de água – como o cultivo de orquídeas – cabe admitir que a situação se torna dramática”.

Maria do Rosário de Almeida Braga, editora da revista, e Marcelo Rodrigues Miranda são os coautores de “Orquídeas terrestres da Ilha Grande”. Eles revelam que, durante trabalho desenvolvido na Ilha Grande, município de Angra dos Reis (RJ), a OrquidaRio encontrou várias espécies terrícolas que só recentemente foram identificadas. Os pesquisadores registraram 29 espécies, distribuídas em 21 gêneros, a maioria deles pertencentes à subtribo Spiranthinae.

Interessados em adquirir a revista “Orquidário” devem dirigir-se diretamente à OrquidaRio – Rua Visconde de Inhaúma, 134/428 – Rio de Janeiro / RJ – Tel. (21) 2233.2314 – E-mail: orquidário@orquidario.org

{ 0 comments }

Transcrevemos, a seguir, artigo publicado no jornal “O Estado”, de Fortaleza/CE, por Marcelo Carvalho. O autor é estudante de Relações Internacionais e membro do Movimento Pró-Árvore, tendo assumido recentemente o cargo de Diretor Técnico-Científico da Associação Cearense de Orquidófilos-ACEO. O texto também está disponível em: http://www.oestadoce.com.br/noticia/expedicao-aratuba-sacoila-lanceolata-aubl-garay

Sacoila lanceolata

Sacoila lanceolata na Serra de Aratuba.

No dia 26 de janeiro de 2015, partimos para a Serra de Aratuba, o amigo Leonardo Jales, ambientalista e fotógrafo, e Gleidison Lima, conhecedor das matas e costumes dessa região fantástica e rica em biodiversidade. Foi um dia produtivo de pesquisa e achados.

Aratuba tem origem na língua tupi, e quer dizer “ajuntamento de pássaros”, através da junção dos termos gûyrá (“pássaro”) e tyba (“ajuntamento”). As terras ao redor eram habitadas por índios de origem tupi como os Canindés. A formação de seu núcleo urbano se deu a partir do século XVIII com as catequeses dos jesuítas e com pessoas oriundas de Baturité e de outras regiões, notadamente do semiárido, provavelmente fugindo das secas. Seu nome anterior era Coité, depois Santos Dumont e, desde 1950, Aratuba.

Da vegetação original que havia resta muito pouco. Mas há resquícios de Mata Atlântica, Caatinga arbustiva aberta e floresta caducifólia espinhosa. No Pico do Mussum, ainda se encontra uma vegetação muito peculiar, bastante degrada pelo pasto de gado, muito parecida com aquela presente em campos rupestres.

Entre os grandes achados desta Expedição do Movimento Pró-Árvore, está a Sacoila lanceolata, uma orquídea terrestre, que foi registrada anteriormente pelo menos em três momentos. Na década de 70, “Luizinho” (orquidófilo e membro da Associação Cearense de Orquidófilos – ACEO), coletou material onde hoje é o aeroporto; naquele local, havia uma mata com áreas alagadas, porém esse material não foi depositado em herbário; no ano 2000, Antônio Sergio (agrônomo e botânico taxonomista, também ativista do Movimento Pró-Árvore), coletou material em Carnaubal/CE, cujo exemplar encontra depositado no EAC (Herbário Prisco Bezerra – UFC); possivelmente em 2005 e com toda certeza em 2007, outro orquidófilo (Arilo Veras), coletou exemplares dessa espécie na serra de Uruburetama, as quais também se encontram depositadas no EAC. Este achado foi o primeiro registro para a Serra de Aratuba, espécie identificada pelo amigo e mestre Antonio Sérgio, o mesmo que primeiro depositou a espécie em herbário aqui no Estado. Estes fatos foram narrados por ninguém menos que Wilson Lima Verde, maior estudioso das orquídeas cearenses e membro da ACEO. A ACEO sempre presente na História da Orquidofilia e Orquidologia do Estado.

Sacoila é um gênero botânico pertencente à família das orquídeas (Orchidaceae). Foi proposto por Rafinesque em Flora Telluriana 2: 86, em 1836, tipificado pela Sacoila lurida Raf., nome ilegal pois havia sido primeiro descrita como Neottia aphylla Hook., em 1828. Ambas são sinônimos da anterior Sacoila lanceolata (Aubl.) Garay, publicada em 1775 como Limodorum lanceolatum Aubl.

O nome vem do grego saccos, saco, e koilos, oco, em referência ao calcar formado pela base do labelo e sépalas laterais de suas flores. Lanceolata, epiteto em latim, que quer dizer: em forma de lança.

Ocorre, geralmente, em campo aberto, precisando de muita luminosidade. Erva perene, passa a maior parte do ano submersa, somente com suas raízes tuberosas. Quando das primeiras chuvas emerge sua parte vegetativa com folhas pilosas e lança sua haste floral. Como não detém de muitos recursos, dispensa suas folhas e fica apenas com sua haste floral. Devido ao seu hábito perene, é difícil encontrar essa e outras tantas orquídeas terrestres, por isso mesmo há poucos estudos sobre as mesmas.

FONTES

  • L. Watson and M. J. Dallwitz, The Families of Flowering Plants, Orchidaceae Juss.
  • <http://pt.wikipedia.org/wiki/Sacoila) > Acesso em :02 Fev. 2015
  • Barros, F. de; Vinhos, F.; Rodrigues, V.T.; Barberena, F.F.V.A.; Fraga, C.N.; Pessoa, E.M.; Forster, W.; Menini Neto, L.; Furtado, S.G.; Nardy, C.; Azevedo, C.O.; Guimarães, L.R.S. Orchidaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB12182>. Acesso em: 02 Fev. 2015
  • Rummitt, RK; CE Powell. 1992. Authors of Plant Names. Royal Botanic Gardens, Kew. ISBN 1-84246-085-4

{ 0 comments }

Dr. Humberto Epipnaio em webvideo no qual fala sobre o combate a pragas e doenças em orquídeas.

Dr. Humberto Epiphanio em webvideo no qual fala sobre o combate a pragas e doenças em orquídeas.

Faleceu nesta segunda-feira, 11, em Rio Claro (SP), o médico Humberto Epiphanio, proprietário do Orquidário Epiphanio e uma das mais conhecidas e queridas figuras do mundo orquidófilo brasileiro. Estava com 75 anos de idade e era considerado referência na área da Otorrinolaringologia.

Em maio de 2009, entrevistado por Vera Coelho para o “Boletim ACEO”, Humberto Epiphanio disse considerar o cultivo de orquídeas “uma loucura prazerosa”. Segundo ele, “a orquídea tem o dom de magnetizar as pessoas, não é uma flor como as outras. Neste mundo moderno, cheio de pressões e cobranças, cultivar orquídeas é a maneira mais correta de se equilibrar. Uma orquídea a mais, um remédio e um psiquiatra a menos.”

{ 0 comments }

Cartaz - Governador Valadares 2015A Sociedade Orquidófila Valadarense (SOVAL) realiza, entre os dias 8 e 10 do corrente mês de maio, em Governador Valadares (MG), sua 23ª Exposição de Orquídeas. O evento acontece na Galeria Monhagara – Teatro Atiaia, com entrada franca. Informações mais detalhadas podem ser obtidas com Alex Junio, pelo tel. (33) 8816.7521.

Cartaz - Conferência walkeriana 2015Já nos dias 29, 30 e 31, tem lugar, em Uberaba (MG), a III Conferência dos Produtores e Colecionadores de Cattleya nobilior e Cattleya walkeriana. Paralelamente a uma grande exposição, haverá leilão de plantas das duas espécies, workshops e palestras. Diversos estandes de venda de orquídeas estarão funcionando no local da Conferência: o Shopping Uberaba.

{ 0 comments }

Cartaz - Orquídeas no Jardim 2015Será aberto amanhã, dia 1º de maio, mais um “Orquídeas no Jardim”, a tradicional exposição realizada pela OrquidaRio no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. O evento se estende até o dia 3, com a seguinte programação:

Dia 1/5 – 6ª feira

  • 8:00h  às 17:00h: Visitação pública – Exposição e vendas
  • 10:00 e 15:00h: Oficinas de cultivo básico de orquídeas
  • 14:00h: Palestra “Orquídeas do Rio de Janeiro” (Maria do Rosário de Almeida)

Dia 2/5 – Sábado

  • 8:00h às 17:00h: Visitação pública – Exposição e vendas
  • 9:30h às 12:30h: Oficina de Ilustração Botânica (Dulce Nascimento), com vagas limitadas
  • 10:00 e 15:00h: Oficinas de cultivo básico de orquídeas
  • 14:00h: Palestra “Orquídeas adequadas para cultivo no Rio de Janeiro” (Carlos Antonio A. de Gouveia)

Dia 3/5 – Domingo

  • 8:00h às 17:00h: Visitação pública – Exposição e vendas
  • 9:00h às 13:00h: Curso “As orquídeas e seu cultivo – 1ª parte” (Delfina Araújo e Carlos Manuel de Carvalho)
  • 14:30h às 16:30h: Curso “As orquídeas e seu cultivo – 2ª parte / “Prática de reenvasamento” (Ricardo Figueiredo)
  • 17:00h: Encerramento

Observação: Com exceção do Curso de “As orquídeas e seu cultivo” (R$ 80,00) e da “Oficina de Ilustração Botânica” (R$ 50,00), todas as outras atividades são gratuitas. Informações e inscrições no local, durante o evento.

Visite o site da OrquidaRio: http://www.orquidario.org/

Cartaz - Parque Dona Lindu 2015NO RECIFE

Na Capital pernambucana, será aberto, nesse 1º de maio, o 5º Festival de Orquídeas, que se prolonga, até o dia 10, no Parque Dona Lindu, em Boa Viagem. Haverá exposição e venda de orquídeas, além de outras atividades, todos os dias, das 8:00h às 18:00h.

Sem necessidade de inscrição e totalmente gratuitos, às 10:00h dos sábados (02/05 e 09/05) e domingos (03/05 e 10/05) serão realizados minicursos e oficinas de cultivo de orquídeas. Também estarão sendo comercializados no local: Bromélias, antúrios, cactos e outras plantas disponíveis, além de fertilizantes, substrato, vasos e cachepots.

{ 0 comments }

Cartaz - Belo Horizonte 2015Cartaz - Belo Horizonte 2015Cartaz - Belo Horizonte 2014A Sociedade Orquidófila de Belo Horizonte (SOBH) e a Associação da Cattleya Walkeriana (ACW) realizam no Minas Centro, em Belo Horizonte, a 66ª Exposição Oficial de Orquídeas e a 21ª Exposição Nacional da Cattleya Walkeriana. Os dois eventos paralelos acontecem no Minas Centro (acesso pela Av. Augusto de Lima, nº 785), nos dias 24, 25 e 26 de abril. Entidades orquidófilas e expositores individuais de outras cidades que apresentem 20 plantas ou mais terão direito a hospedagem (duas diárias completas) em hotel indicado pela SOBH.

É a seguinte a agenda das exposições:Cartaz - Belo Horizonte 2015

  • Recebimento das plantas e montagem de arranjos: de 10:00h às 22:00h do dia 23 e de 08:00h às 11:00h do dia 24.
  • Abertura da exposição: dia 24, às 20:00h.
  • Visitação: dia 24 de abril, de 20:00h às 22:00h; dia 25, de 08:00h às 22:00h; dia 26, de 08:00h às 18:00h.
  • Encerramento e restituição de plantas: dia 26 de abril, de 18:00h às 21:00h.

O setor de vendas estará aberto ao público a partir das 08:00h do dia 24.

Cartaz - São Carlos 2015Em São Carlos, no centro geográfico do Estado de São Paulo, realiza-se, a partir de sexta-feira, dia 24, a 53° Exposição Nacional de Orquídeas daquela cidade. O local é o Centro de Convenções do Hotel Nacional Inn, na Av. Getúlio Vargas, 2330.

Regida pela normas da CAOB, esta é uma das maiores e mais tradicionais mostras orquidófilas do País. Os organizadores esperam receber cerca de 60 cidades parceiras no evento deste ano, com uma expectativa de cerca de 2.000 vasos floridos. O horário de visitação é  o seguinte:

  • Sexta-feira (24/04) – das 19:30h às 22:00h
  • Sábado (25/04) – das 9:00h às 22:00h
  • Domingo (26/04) – das 9:00 às 17:00h

Está prevista a presença de oito orquidários comerciais, comercializando plantas e insumos: Astrea, Recando, Vismara, Colibri, Bom Jesus, Orquiflora, Juliato e Orquidário da Serra.

{ 0 comments }

Mesa de belas orquídeas - espécies e híbridos - enfeitou o ambiente da Assembleia.

Mesa de belas orquídeas enfeitou o ambiente da Assembleia.

Nova diretoria inclui associados recentemente atraídos pela ACEO.

Nova diretoria inclui associados recentemente atraídos pela ACEO.

A Associação Cearense de Orquidófilos tem novo presidente. O engenheiro Thomaz Antonio Sidrim Crvalho foi eleito, neste sábado, dia 18, para liderar a ACEO no biênio administrativo 2015/2017. Ele sucede a Vera Lúcia Matos Coelho, que presidiu a Associação em duas gestões consecutivas.

A Assembleia Geral convocada para a escolha de nova Diretoria aconteceu em ambiente tranquilo e clima participativo, sendo seguida pela festiva distribuição de orquídeas, através de sorteio, entre os associados presentes.

Na abertura dos trabalhos, Raymunda Guimarães Pereira foi escolhida para presidir a Assembleia, tendo Antonio Walberto como secretário. Vera Coelho apresentou prestação de contas das realizações da entidade no período de 2013 a 2015 e agradeceu a colaboração de seus companheiros para a concretização de todas aquelas atividades. (Veja a prestação de contas em matéria postada neste site.)

Thomaz apresenta as metas para o próximo biênio.

Thomaz apresenta metas para o próximo biênio.

Aberto espaço para a apresentação de candidaturas, Thomaz Sidrim propôs a chapa “Orquidofilia em Primeiro Lugar”, assim como uma série de propostas para a gestão que se estenderá até abril de 2017. Dentre outras ações, estavam elencadas:

  • Palestras interativas;
  • Convidar pesquisadores e cientistas para apresentar palestras;
  • Realizar dois seminários anuais sobre temas ligados à orquidofilia e orquidologia;
  • Convidar os escoteiros (que se reúnem na Casa de José de Alencar, ponto de encontro da ACEO) para participar das palestras e oficinas;
  • Divulgar ações de conscientização sobre a preservação do meio ambiente;
  • Elaborar vídeos institucionais sobre o cultivo de orquídeas, para distribuição nas escolas públicas e privadas, com elementos de conscientização para a preservação de nossas matas;
  • Apoiar a criação de um orquidário na Casa de José de Alencar;
  • Realizar as visitas a orquidários públicos;
  • Manter e fortalecer o FestOrquídeas.

Definida como chapa única, a composição liderada por Thomaz Sidrim foi eleita por aclamação. Após anunciado o resultado, Vera Coelho transmitiu a presidência a seu sucessor.

Novos presidente e vice-presidente: Thomaz e Juliana.

Novos presidente e vice-presidente: Thomaz e Juliana.

É o seguinte a composição da nova diretoria da ACEO:

  • Presidente – Thomaz Antonio Sidrim Carvalho
  • Vice-Presidente – Juliana Coelho Carvalho
  • 1ª Secretária – Tânia Moises
  • 2ª Secretária – Mônica Nepomuceno Silveira
  • 1ª Tesoureira – Vera Lúcia Matos Coelho
  • 2ª Tesoureira – Elza Ferreira da Silva
  • Diretor de Eventos – Rogério Sella
  • Diretor de Comunicação – Italo Gurgel
  • Diretor Técnico e Científico – Francisco Marcelo Carvalho
  • Diretor de Patrimônio – Aderaldo Gomes de Almeida

CONSELHO FISCAL  E DELIBERATIVO

  • Luiz Wilson Lima Verde
  • Francisco Edmilson Costa
  • Francisco Juvêncio de Andrade Net

{ 0 comments }