Expedição pesquisa a ocorrência de Bulbophyllum no Ceará

Expedição Bulbophyllum
Marcelo, Cecília, Valéria, Eduardo e Gleidison (da esq. para a dir.).

Expedição formada por pesquisadores de três Estados percorreu uma área do Maciço de Baturité, nos dias 28 e 29 de junho, observando a ocorrência de orquídeas e bromélias. Integravam o grupo Cecília Fiorini, doutoranda do programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal da Universidade Federal de Minas Gerais; Valéria Sampaio, da Universidade Federal do Ceará, especialista em Solanaceae; Eduardo Calisto, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, especialista em Bromeliaceae, e que estuda as bromélias do Ceará; e Marcelo Carvalho, Diretor Técnico da Associação Cearense de Orquidófilos (ACEO), estudioso da flora cearense, com enfoque especial nas Orquidaceae. A expedição contou com a colaboração dos ambientalistas Roberto Otoch e Gleidison Lima, que deram inestimável apoio de campo em Mulungu e Aratuba.

Cecília Fiorini faz doutorado em Biologia Vegetal na UFMG. (Foto: Marcelo Carvalho)

Cecília Fiorini tem percorrido vários Estados brasileiros estudando a fileogeografia do complexo Bulbophyllum exaltatum e a evolução dos sistemas de reprodução do clado neotropical de Bulbophyllum (Orquidaceae). Ela veio ao Ceará realizar pesquisas das espécies do gênero que estuda. Aqui, estima-se haver, do clado em questão, duas espécies a serem confirmadas: Bulbophyllum exaltatum e Bublophyllum meridense. São espécies que geralmente ocorrem de forma rupícola, sobre afloramentos rochosos, mas que, no Ceará, vegetam de forma epífita em nossas matas úmidas.

Marcelo e Gleidison examinam exemplar de Epidendrum avicula. (Foto: Valéria Sampaio)

Visto que são raras e ameaçadas de extinção, encontrar orquídeas do gênero Bulbophyllum não é tarefa fácil. Essas plantas têm um alto grau de exigência com luminosidade e umidade e gostam de grandes amplitudes térmicas. Ocorrem em borda de mata ou nas árvores mais altas.

Marcelo Carvalho faz uma avaliação positiva da expedição, que realizou, com finalidade científica, coleta seletiva destinada aos herbários de instituições acadêmicas representadas. “Esperamos que, com as conclusões dos estudos que estão sendo realizados, possamos, futuramente, subsidiar políticas de preservação das orquídeas e de outras espécies de nossa flora”, observou o pesquisador cearense.

Dia do Orquidófilo – Uma data para nos aproximarmos da natureza e de suas mais belas criações

Cattleya labiata var. rubra 'Iracema'
Cattleya labiata var. rubra ‘Iracema’ – (Cultivo e foto: Italo Gurgel)

22 de junho – No Dia do Orquidófilo, a ACEO deseja a seus associados e a todos os amantes das orquídeas mais uma jornada abençoada pela beleza e perfume dessas flores. Hoje é um dia dedicado aos que, em um mundo invadido pela ganância, a concorrência, o consumismo e as vaidades, se voltam para as coisas da natureza, onde reside o próprio futuro da humanidade. Hoje é um dia para se iniciar a construção de um mundo novo.

Associação Cearense de Orquidófilos – ACEO

Associação Portuguesa de Orquidofilia apresenta nova edição de “Lusorquídeas”

Lusorquídeas

O boletim oficial da Associação Portuguesa de Orquidofilia (APO) está circulando com um rico conteúdo e, mais uma vez, excelente apresentação. Desta feita, “Lusorquídeas” traz, como matérias especiais, um texto da presidente da APO, Graziela Meister, sobre a Trichopilia; artigo de Jaime Vieira, “Reprodução das orquídeas”; entrevista com Francisco Diniz (“A paixão pelas orquídeas na Ilha Terceira”), feita por José Costa; estudo de Jorge Freixial sobre a Tillandsia ionantha; artigo de Paula Bacelar Nicolau intitulado “Conhece a flor das orquídeas?!”; e trabalho de Pedro Spínola com o título “Desafiando a norma – O gênero Dendrophylax“. Uma presença de Ultramar na revista é o texto do jornalista Italo Gurgel, da Associação Cearense de Orquidófilos, que pesquisou sobre “As orquídeas na Literatura brasileira”.

Enriquecem, ainda, este número da revista, as sessões tradicionais: “Ficha sintética de cultivo”, com informações completas sobre duas espécies brasileiras – o Catasetum macrocarpum e a Cattleya labiata; as notícias da Associação (“A APO em acção”), página que inclui, dentre outras, matéria sobre a 8ª Exposição/Venda Internacional de Orquídeas do Porto”, realizada entre 31 de março e 2 de abril; além do “Espaço do associado”.

Associação Portuguesa de OrquidófilosA APO vive um momento importante de sua história, que é comentado por Graziela Meister na “Mensagem da presidente”. Diz ela: “A APO festeja este ano o seu 10º aniversário. Foram dez anos com uma longa viagem no mundo das orquídeas, desde o início, em 2007, com um pequeno grupo de amigos que se juntaram para falar sobre a sua planta favorita – a orquídea, até 2017, em que a Associação Portuguesa de Orquidofilia, cheia de energia, começa a dar passos fora de seu território”. Refere-se a Presidente às participações da APO em exposições na Galícia (Espanha) e, mais recentemente, na Polônia.

5 de junho: Um dia para refletir sobre o futuro do planeta e das novas gerações

Neste 5 de junho de 2017, Dia Mundial do Meio Ambiente, a Associação Cearense de Orquidófilos (ACEO) lembra alguns fatos que precisam alimentar nossas reflexões. São alertas para que a sociedade se mobilize mais – e com maior frequência – para denunciar os atos que, sucessivamente, atentam contra o ambiente natural e comprometem a própria habitabilidade do planeta:

  • Aproximadamente 20 mil quilômetros quadrados de vegetação nativa são desmatados, todo ano, em nosso País. Este processo acarreta inúmeros fatores negativos ao meio ambiente, entre eles, perda da biodiversidade, empobrecimento do solo, emissão de gás carbônico na atmosfera, alterações climáticas, erosão, entre outros.
  • De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, 80% da extração de madeira na Amazônia ocorrem de forma ilegal.
  • A Caatinga já teve sua vegetação reduzida pela metade, devido ao desmatamento: 500 mil hectares são devastados a cada ano.
  • A Mata Atlântica, que no passado ocupou 15% do território brasileiro, já perdeu 93% de sua cobertura vegetal.
  • No Cerrado, o desmatamento começou na década de 1950, por conta da expansão das fronteiras agrícolas e das políticas públicas para ocupação do Centro-Oeste brasileiro. A intensa urbanização e as atividades agropecuárias fizeram com que 67% do bioma já tenham sofrido mudanças.
  • A busca por um desenvolvimento econômico imediatista é o principal responsável pelos desmatamentos no Brasil, que tem relegado a segundo plano o desenvolvimento social e ecológico. Os problemas daí decorrentes, e que já são evidentes nos dias atuais – enchentes aqui, secas catastróficas ali, elevação da temperatura… – poderão atingir grandes proporções em um futuro não muito longínquo, caso não ocorra, de imediato, maior conscientização da sociedade e dos governantes com relação à destruição dos recursos naturais.

Todo orquidófilo deve ser um personagem atuante em defesa do meio ambiente. No Ceará, vamos dizer não ao desmatamento em nossas serras. Vamos denunciar as agressões socioambientais na faixa litorânea. Vamos procurar salvar o que resta da Caatinga. Para encerrar, um lembrete: membro da ACEO não pactua com o comércio (criminoso) de orquídeas retiradas do mato. Orquidófilo consciente não compra nem vende “orquídea do mato”.

Foto e edição: Italo Gurgel

Fonte: Mundo Educação

A cidade de Natal ganha novo e belo orquidário público

O presidente Severino, o vice Clementino e outros membros da SORN diante do orquidário.

Em Natal (RN), o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (IDEMA) inaugura, nesta quinta-feira, dia 1º de junho, o seu belo e moderno Orquidário, instalado em parceria com a Associação Orquidófila do Rio Grande do Norte (SORN). O novo equipamento fica na Av. Alexandrino de Alencar, 1701, bairro do Tirol, em Natal, próximo ao Bosque dos Namorados. Reúne variadas espécies de orquídeas, bromélias e outras plantas nativas e ficará aberto para visitação diariamente.

A inauguração faz parte das comemorações da Semana Estadual de Meio Ambiente, que este ano se inspira no tema “Estou com a Natureza”. A programação da Semana contempla, ainda, um concurso de fotografia amadora, palestras, oficinas de artes e reciclagem, apresentações culturais, passeio ciclístico, mutirão de limpeza, cursos de educação ambiental, plantio de mudas, feira de doação de plantas exóticas, trilhas, entre outros. Os eventos foram preparados para atrair estudantes, professores e a comunidade em geral. As atividades acontecerão no Parque das Dunas, Cajueiro de Pirangi, unidades de conservação e municípios do interior do Estado.

De acordo com o presidente da SORN, Severino Carvalho, após a inauguração do Orquidário, serão anunciados cursos de cultivo de orquídeas, jardinagem e bonsai. Já no dia 3 de junho, a Associação movimentará a praia de Jenipabu, onde haverá um curso de cultivo de orquídeas, ministrado por Gleide Brandão, e palestra do Prof. Clementino Câmara sobre cultivo com algas. A grande exposição anual da SORN está agendada para os dias 25, 26 e 27 de agosto, ocasião em que representações de todas as entidades orquidófilas do Nordeste deverão acorrer à cidade de Natal.

Movimento Proparque convida para a Festa da Vida 2017

Parque Rio Branco
O Parque Rio Branco fica na Av. Pontes Vieira, no Tauape.

O Movimento Proparque realiza, no próximo dia 11 de junho, das 10:00h às 14:00h, no Parque Rio Branco, em Fortaleza, a Festa da Vida 2017. Todos estão sendo convidados para esse evento, que se realiza desde 1998, e que enriquece a Semana do Meio Ambiente, envolvendo entidades socioambientais do Ceará.

Parque Rio Branco
Uma bela área verde, que precisa ser preservada.

O objetivo do Movimento Proparque e seus parceiros é mobilizar as escolas, ONGs, associações e movimento sociais para que mostrem o que estão fazendo pela vida em qualquer atividade, não somente naquelas de caráter ambiental. Para participar, basta ter uma ação que promova a vida e querer divulgá-la. Com os próprios meios, as escolas e outras entidades podem levar exposições, teatro, show musical, recital de poesia, contação de estórias, performances, intervenções públicas, exibição de banners, cartazes e faixas. A organização do evento disponibiliza o som para anúncio das atividades.

Para mais detalhes, os interessados em participar podem entrar em contato com os organizadores pelo e-mail [email protected] ou pelos telefones 98838.1203 (Luísa) e 99994.9025 (Ademir). Confira as atualizações do evento na página do Movimento Proparque no Facebook.