Aspectos da orquidofilia cearense

O território cearense apresenta, de maneira simplificada, três feições fisiográficas distintas: o litoral, o sertão e as serras.

Em todas essas compartimentações topográficas ocorrem orquidáceas, contudo, na vegetação semi-árida da caatinga (sertão) a riqueza e abundância dessas espécies são baixas em comparação com as das serras úmidas locais. A incidência de espécies no complexo vegetacional do litoral (matas de tabuleiro, cerrados, matas a retaguarda das dunas e manguezais) estaria estatisticamente num meio termo entre as duas outras áreas.

Algumas serras úmidas cearenses, como Baturité, Maranguape e Uruburetama, caracterizam-se, basicamente, pelo seu posicionamento nas proximidades do entorno da orla litorânea; por receber, de imediato, os ventos carregados de umidade vindos do oceano; pelas altitudes que permitem uma dotação pluviométrica mais intensa e regular ao longo do ano; pelo conseqüente clima ameno aí estabelecido; e pela ocorrência de uma vegetação caracterizada, fisionômica e floristicamente, como encraves de Mata Atlântica isolados dentro do Bioma Caatinga.

Esses ambientes, principalmente acima dos 600m de altitude, são propícios ao desenvolvimento de uma flórula diversificada, inclusive epifítica, onde se destacam, entre vários grupos botânicos, o das Orquidáceas. Neles, acreditamos que ocorra mais de 90% da orquidoflora cearense, estimada hoje em cerca de mais ou menos uma centena de espécies, embora registros oficiais dêem conta de apenas 54 espécies pertencentes a 28 táxons genéricos, conforme expressam os trabalhos de Cogniaux (1898), Pabst & Dungs (1975, 1977) e Gomes-Ferreira (1990).

Vale salientarmos que essas serras encontram-se seriamente ameaçadas, em conseqüência da degradação secular dos seus hábitats, atualmente fragmentados e ainda submetidos continuamente à dilapidação da flora e da fauna locais. A preservação desses ambientes necessita, complementarmente, de pesquisas e cuidados preservacionistas, não somente pela sua expressiva biodiversidade, mas também pela carência de informações que ainda demanda sobre a sua riqueza e utilização racional. Nesse contexto devemos levar em conta, particularmente, a possibilidade de constatarmos a existência de espécies ainda desconhecidas de orquídeas ou de registrarmos novas ocorrências de espécies já conhecidas e, até mesmo, de espécies com conotações de endemismos para essas áreas montanhosas.

Não somente pelas orquídeas, mas por toda a biota desses ambientes, aprofundar os conhecimentos bio-ecológicos locais constitui um ato de reverência à responsabilidade do científico e do social, necessários à preservação, também, dos direitos que merecem desfrutar as futuras gerações locais e itinerantes.

Esse patrimônio, portanto, não pode e não deve pertencer a grupos individuais nem a indivíduos isolados que possam se auto-eleger signatários de determinadas parcelas de seu conteúdo biológico, como o grupo botânico das Orchidaceae. Diante desta configuração de responsabilidades cabe aos orquidólogos estudá-las e, através dos resultados conseguidos, mensurar e expressar sua riqueza e abundância, prevendo e estabelecendo estatísticas que conscientizem a sociedade da real situação ecológica de suas populações. Aos orquidófilos cabe ajudar o meio científico no que for possível e, também, compreender e descobrir que a fartura dessas espécies nos seus hábitats é coisa do passado, e o que restou, que é muito pouco, constitui um bem precioso que devemos preservar com afinco e entusiasmo. Neste sentido, não podemos mais continuar procedendo com as coletas irracionais nos raros fragmentos que restaram de nossas matas, nem tão pouco, estimulando a coleta predatória realizadas pelos mateiros para “engordar” as nossas coleções.

Como fato palpável, devemos lembrar o que a orquidofilia cearense presenciou no início dos anos 90, quando do crucial extermínio de populações inteira da nossa Cattleya labiata em muitos locais de algumas serras, como foi o caso de Maranguape e Uruburetama (sem mais comentários!). Neste período foi registrada uma grande pressão de coleta dessa espécie, tanto para cultivo na região metropolitana de Fortaleza, quanto em outros estados brasileiros. Aqui na região metropolitana, em algumas ocasiões, foi constatado o apodrecimento de dezenas de indivíduos dessa espécie, conseqüência de coletas irracionais e em grande quantidade, sem os devidos recursos de tempo hábil para mantê-las saudáveis e cuidadosamente bem cultivadas. É bom recordarmos que procedimentos semelhantes já haviam ocorrido nos anos 40 e 50, quando milhares de exemplares dessa espécie saíram do Ceará, por via portuária, para o Rio de Janeiro e São Paulo e, possivelmente, para o exterior. Nessas circunstâncias, quando o navio atrasava, muitas vezes toda a carga apodrecia em quintais de casas da nossa capital.

(Luiz Wilson Lima Verde é engenheiro agrônomo e atual Diretor Técnico-Científico da ACEO)

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
Compartilhe nas redes sociais

Os orquidófilos e o meio ambiente

O que uma associação de cultivadores de orquídeas tem a ver com o meio ambiente?

Tudo.

Os orquidófilos não são apenas aquelas pessoas apaixonadas pelas orquidaceae. Eles não se fecham em seu mundinho de laelias e cattleyas, dendrobiuns e ondiciuns, buscando a flor extraordinária, de armação perfeita, tonalidade gloriosa e perfume celestial. Podem até cometer exageros nos cuidados com as plantas e no tempo que a elas dedicam. Mas também enxergam além do orquidário e procuram acompanhar muito de perto o que acontece com a natureza.

Essa simpática comunidade está atenta, por exemplo, aos ambientes naturais onde florescem as orquídeas. Preocupa-se sobremaneira com a devastação de ecossistemas que são o habitat de espécies raras — algumas, talvez, sequer catalogadas e que estão desaparecendo diante da ocupação irracional de áreas que precisavam ser resguardadas como patrimônio intocável.

De fato, as fronteiras da irresponsabilidade têm avançado céleres sobre nossas florestas, ecossistemas costeiros, matas ciliares… A hiléia amazônica recua para dar lugar à pecuária, o cerrado perde sua cobertura vegetal, a exploração imobiliária desfigura a faixa litorânea. E cada vez que os tratores se põem em marcha, atropelam, dentre outras criaturas de Deus, as orquídeas. Sim, porque o Brasil é um dos países que apresentam o maior conjunto de espécies de orquídeas, com cerca de 3.500 espalhadas por todas as regiões. E elas podem surgir em qualquer parte, em qualquer latitude ou altitude, seja qual for a temperatura, o nível de umidade…

No Nordeste, a esta altura, já se considera comprometida a sobrevivência de algumas das mais belas orquidaceae, nos ambientes que lhes dão abrigo desde que o mundo é mundo. É o caso da Cattleya labiata no Ceará. A serra de Uruburetama, berço de belíssimas flores rubras, está sendo desmatada para dar lugar ao plantio de bananeiras. Árvores centenárias são abatidas e incineradas com toda a sua preciosa cobertura de epífitas. Crime que até agora tem permanecido impune. Entre o Rio Grande do Norte e Alagoas, a vítima da vez é a Cattleya granulosa, elegante moradora das áreas costeiras, que o “boom” imobiliário vem erradicando com despudorada avidez.

Nas associações orquidófilas, fatos como esses são discutidos. Geram-se denúncias. Procura-se conscientizar as pessoas quanto à insensatez que está sendo perpetrada. Por isto, é sempre alentador quando surge um novo grupo de “orquimaníacos”, porque já se sabe que funcionará como caixa de ressonância de idéias novas, como propagadora de uma nova visão relacionada às coisas da natureza.

Assim, é prazeroso registrar a reabertura da Sociedade Cearense de Orquidófilos (ACEO), que retoma um trabalho iniciado em 1977 e que resultou, em seus primeiros anos, na realização de inúmeras exposições, simpósios e publicação de estudos técnicos. A entidade vem atraindo antigos e novos associados, que se reúnem mensalmente, em torno não apenas de belíssimos vasos floridos, mas também de uma pauta voltada para questões ambientais.

Foram retomadas as publicações, palestras, seminários, congraçamentos e exposições. Estas, em locais de grande movimentação do público, têm o propósito de atrair mais e mais adeptos para a orquidofilia, uma atividade apaixonante, que, no mundo inteiro, envolve milhões de pessoas de todas as idades, profissões e níveis sociais, irmanadas pela dedicação às orquídeas e por um desmedido amor à natureza.

(Italo Gurgel é jornalista e presidente da Associação Cearense de Orquidófilos)

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
Compartilhe nas redes sociais

Os cursos do Dr. Darly Machado para 2008

O Dr. Darly Machado, presidente da Associação Brasileira de Orquidólogos (ABO), anuncia os cursos que deverá oferecer em 2008, dentro de um projeto de difundir as boas práticas da orquidofilia. Os cursos serão ministrados na cidade de Campinas (SP), ficando as datas dependentes da formação de grupos. É necessário confirmar a participação com pelo menos cinco dias de antecedência. O valor da inscrição (R$ 600,00) inclui apostila, cópias xerográficas, orquídeas utilizadas na prática e frascos de semeaduras feitas em aula.

São os seguintes os cursos previstos:

  • Orquídeas e orquidários caseiros e comerciais
  • Jardins com orquídeas, ripados, telados, estufas
  • Cultivo orgânico da semeadura à planta adulta
  • Cuidados básicos para evitar contaminações
  • Técnicas e materiais para plantar orquídeas
  • Cultivo de orquídeas em apartamento
  • Reprodução por cortes
  • Estimulação para formar brotos novos
  • Polinização para obter semente
  • Como conservar sementes e pólem
  • Como enviar sementes para laboratórios
  • Reprodução in vitro
  • Laboratório caseiro
  • Equipamentos e materiais
  • Meios de cultura orgânico e com sais minerais
  • Preparo e esterilização
  • Reprodução por sementes
  • Reprodução por meristemas

Autor de diversas obras sobre o cultivo de orquídeas, que incluem manuais práticos de cultura, reprodução, nutrição, pragas e doenças, semeaduras e meristemas em laboratório caseiro, o Dr. Darly Machado de Campos pode ser contatado através do fax (19) 3251.6689 ou do endereço eletrônico darly.machado@ig.com.br.

O endereço dos cursos é:
Rua Comendador Querubim Uriel, 43, Cambuí
Campinas-SP
CEP: 13.024-470

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
Compartilhe nas redes sociais